Acompanhe aqui os números da COVID-19 em Jacareí

Governo tentou evitar o dia “D de Dória”, sem a hora H e não tem plano B

Vacinação também é o único tratamento precoce para a Economia

*Por Rogério Nakata

Após quase um ano desde o anúncio da pandemia e conhecidos os efeitos que mudaram significativamente as relações sociais, profundamente a saúde, mas também a Economia surge uma luz no fim do túnel que foi dada, com um ponta pé inicial, com a aplicação da primeira dose da vacina fornecida à uma brasileira no domingo dia 17 as 15h30m em São Paulo. Uma vacina que se diga, de passagem, que somente pode ser aplicada em território nacional porque apostou-se na Ciência e não no Negacionismo. Uma doença que desde o início trouxe, até então, uma série de dúvidas sobre como tratar um inimigo desconhecido e invisível, responsável por danos significativos não somente à saúde e a vida, mas que afetou também TODAS as economias ao redor do mundo e não apenas a brasileira, como querem veemente dizer os conspiracionistas e anti-vacinistas de plantão.

Pegando carona na esteira da pandemia surgiram também os charlatões, blogueiros e os Youtubers especialistas em tratamento precoce que, depois do Domingo, ficou claríssimo que todas aquelas baboseiras que recebemos nas redes socias ou nos grupos de WhatsApp, ou que ouvimos de um parente ou colega, até bem intencionado, CAÍRAM por terra quando a maior autarquia de saúde do país, que é ANVISA, anunciou em rede nacional que em razão da AUSÊNCIA DE ALTERNATIVAS TERAPÊUTICAS, ou seja, de tratamento precoce para a Covid-19 concluiu-se que A VACINA É O ÚNICO TRATAMENTO PRECOCE DISPONÍVEL e RECOMENDADO pelo órgão competente e NÃO a hidroxicloroquina, a cloroquina, a ivermectina, a azitromicina e a doxiciclina, ou, até mesmo, os tais feijões mágicos! Isso significa que a ANVISA deixou bem claro e explícito que não há tratamento precoce por mais que você confie neste ou naquele amigo ou neste ou naquele governante. Para corroborar com tudo isso a Associação Médica Brasileira na figura de seu Presidente, o médico César Eduardo Fernandez, diz que falar de tratamento precoce é “leviandade”. Outra associação que se posicionou foi a Sociedade Brasileira de Infectologia que solicitou que se retirasse imediatamente e com urgência a hidroxiclorina de TODAS as fases de tratamento do coronavírus.

A maior prova de que o tratamento precoce não funciona é o exemplo de Manaus onde dezenas e dezenas de pessoas que pararam nas UTIs dos hospitais e que faziam o uso de “medicamentos preventivos”, segundo matéria de Giovana Girardi do jornal O Estado de S. Paulo, em 15 de Janeiro. Com o kit Covid muitos, provavelmente, se sentiram mais confiantes em até mesmo dispensar suas máscaras, por estarem se “tratando precocemente”, vindo depois a serem contaminadas pelo novo coronavírus ocupando os já escassos leitos de UTI da cidade. Tudo isso demonstra a total incompetência por parte das autoridades públicas em se evitar o caos menosprezando os dados estatísticos disponíveis há mais de uma semana sobre um possível colapso na saúde pública do Amazonas. Para aqueles que costumam utilizar a expressão lacração em seus posts, a única que está ocorrendo neste momento, sem dúvidas, é a de sacos plásticos com corpos de milhares de mortos pela Covid-19, hoje com mais de 211 mil vidas e histórias interrompidas até aqui, espalhados por todo país e que demostram através de FATOS de que o distanciamento social, o uso de máscaras e o simples ato de lavar constantemente as mãos são a ÚNICA prevenção contra o coronavírus e que A INFORMAÇÃO é o maior aliado contra a ignorância e as charlatanices propostas por algumas autoridades, médicos, jornalistas, religiosos, etc., que espalham somente A DESINFORMAÇÃO e suas absurdas teorias da conspiração, mesmo diante dos FATOS.

Diante disso, vivemos um momento bastante peculiar no país onde aguardamos e imploramos, após achincalhar nosso principal fornecedor de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) e maior parceiro comercial, que é a China para que nos enviem os insumos necessários para a fabricação das duas vacinas, a que já está sendo aplicada, a CORONAVAC e da ASTRAZENECA que, por ironia do destino, esta última, também é fabricada em uma planta instalada na cidade chinesa de Jiangsu. Somado a isso continuamos também aguardando respostas sobre as 2 milhões de doses da Índia compradas à toque de caixa pelo governo federal para evitar o dia D de “Dória” e a hora H sem um Plano B do Ministério da Saúde. Porém, resolvemos fazer o quê, antes de tudo isso ocorrer? Nas palavras do Governo, deveríamos aguardar que os fabricantes nos procurassem para vender as suas vacinas (como se fossemos a última Coca Cola no deserto) porém, os FATOS, mais uma vez, se sobrepuseram a lambança diplomática de que não teremos NENHUMA outra vacina por um bom tempo além desta(s) acima citada(s).

Se pudéssemos fazer uma simples analogia com o desempenho patético que tivemos no enfretamento a pandemia seria como pegar amoras na praça do seu bairro para fazer uma geleia. Se você chegar no momento certo e antes dos demais apreciadores você poderá colher a quantidade de frutas necessárias para preparar a deliciosa guloseima, mas caso se atrase colherá menos do que o que necessitava para a receita ou pior, ficará sem colhê-las em um momento em que já não se dão mais amoras pois, a época da colheita já passou! Para piorar o que fizemos no Brasil foi colocar veneno no pé da amoreira querendo depois que ela desse frutos com uma diplomacia ideologizada por gurus e alinhada ao trumpismo que, por sua vez, sai pela porta dos fundos e entra para a história como uma das maiores chagas na democracia norte americana.

Não há dúvidas, como o próprio Ministro da Economia e o Presidente do Banco Central já declararam em coletivas, que uma das soluções para a economia destravar é a Vacinação e não o charlatanismo do tratamento precoce. Mais uma vez voltando a Manaus fica claro para todo o país o que é viver um colapso no sistema de saúde quando milhares de pessoas precisam de atendimento e de leitos ao mesmo tempo e que mesmo assim, em plena segunda onda crescente da pandemia, o prefeito cedeu à pressão e reabriu o comércio e o resultado é o que presenciamos todos os dias nos noticiários que são mortes e mais mortes, antes pelo vírus, agora agravada também pela falta de oxigênio. Portanto, estamos tão errados, mas tão errados em nossas opiniões que os FATOS sobrepõem as mesmas e que não existe economia pujante, em nenhum lugar do mundo, sem pessoas que possam consumir produtos e serviços e que não haverá tranquilidade para o comércio de abrir suas portas sem restrições de horários sem que haja uma vacinação em massa, desde que, o governo federal esteja TOTALMENTE COMPROMETIDO com a causa.

Ao invés disso, tivemos citações oficiais folclóricas dignas de um filme como o Borat 2 e que poderiam lembrar até nossa amada cidade que foi a “jacarenização” das vacinas que é, por si só um tipo de discurso que compromete a campanha de vacinação nacional e é uma péssima estratégia de resolver um problema gigantesco de saúde pública, afetando sobretudo a economia, já que a imunização por rebanho, através da transmissão indiscriminada do vírus proposta pelos “especialistas” e charlatanistas, demonstrou mais uma vez, através da REALIDADE DOS FATOS e dos números, um verdadeiro desastre para a saúde e para a economia como a ocorrida no Amazonas e que serve não somente como um triste retrato da situação atual mas também como um grande alerta para as demais cidades do país.

Por fim, o grande problema de se veicular massivamente informações falsas é que quando elas são repetidas várias vezes elas acabam se tornando “verdades” e, por essa razão, são muito mais difíceis de serem desfeitas depois. Por essa razão JAMAIS espalhe Fake News pois, sem você perceber, poderá estar auxiliando a espalhar o vírus e atrasando o desenvolvimento econômico de seu país! Neste momento só nos resta confiar em apenas duas coisas: Em DEUS e na CIÊNCIA.

Rogério Nakata é Planejador Financeiro CFP® da Economia Comportamental e palestrante sobre os temas Educação Financeira e Planejamento Financeiro de grandes organizações. E-mail: atendimento@economiacomportamental.com.br

Deixe uma resposta

Top
WhatsApp chat
%d blogueiros gostam disto: