Acompanhe aqui os números da COVID-19 em Jacareí

Fé, esperança e paciência – Esther Rosado

Fiquei imaginando sobre escrever nesses tempos difíceis, de muitas injustiças e com uma guerra sobre a qual quase ninguém mais fala.

Acostumamo-nos a ver a vida indo adiante, os ministros que pedem para sair do governo e disputar as eleições deste ano, a pobreza, a ignorância e o desamor. A pobreza é, entre todos os crimes dos governos deste planeta, o pior: as doenças se instalam, os olhos pedem socorro e a emergência é sempre, sobretudo para as crianças, um prato de comida.

A infância é uma joia sobre a qual se instala a esperança; antigamente, pouco se dava que as nossas crianças brasileiras fossem as primeiras no atendimento, depois vieram o respeito com as vacinas e a educação. De repente, hoje, depois de tantos ganhos e leis, elas começam a perder realmente suas oportunidades de cidadania e quase nada se diz sobre suas prioridades.

Vejo a educação no Brasil com tristeza e mais triste ainda fico com o ex-ministro Estrupício do Nada que negociava o que vale ouro no país e vendia prioridades. Tudo tem preço?

A Educação nunca esteve tão relegada a décima importância, tão abandonada como nesses últimos três anos. Não só a de crianças, mas de jovens e adultos.

O que dizer a um adolescente ou a uma criança depois de uma velhacaria dessas? Dizer que a honra é algo indispensável, que a ética deve ser cuidada, que é preciso observar que os livros de História, no futuro, narrarão o que será desvendado?

Ás vezes, vejo um comportamento e penso: falta de educação; observo um fato e lá dentro do peito agradeço aos pais que tive, os irmãos que tenho, a família que tive me amparando.

Há no poder uma cambada de ignorantes que querem emburrecer o povo. Mas engano deles, a educação está em sábias mãos, de professores bons e competentes.  Eles sabem a prioridade de ensinar, acolher e tornar cidadãos de fato os que se encontram sob sua custódia.

Um dia, o Ministério da Educação será destinado ao aprender e ensinar e não para acobertar ladrões do dinheiro público. Já tivemos educadores honrados como Paulo Freire, conhecidos do mundo inteiro; já tivemos presidente poliglota, já tivemos presidentes preocupados infinitamente com o povo brasileiro.  Hoje… o futuro é logo adiante, tenhamos fé, esperança e paciência.

Deixe uma resposta

Top
WhatsApp chat
%d blogueiros gostam disto: